UM PARCEIRO DE:

Instalações elétricas mal executadas ou em má conservação e envelhecimento promovem a existência de correntes de fuga à terra em razão dessas condições. Essas correntes de fuga além de provocar aumento de consumo de energia, aquecimento indevido e consequente destruição da isolação culminando em incêndios, geram enormes riscos às pessoas através de choques elétricos. 

A morte por choque elétrico – a eletrocussão – é mais comum do que se imagina. A maioria das mortes por choque elétrico não são fatalidades, mas uma tragédia anunciada. Existe disponível ao consumidor brasileiro tecnologia que permite evitar a tragédia e existe legislação que obriga o uso desta tecnologia.

O dispositivo DR tem a sua aplicação focada nas tomadas, equipamentos em áreas muito molhadas e chuveiros. No caso das tomadas, a norma brasileira prescreve a utilização especificamente para áreas molhadas, o critério usado mundialmente é para todas as tomadas (a norma brasileira e suas congêneres especificam tomadas de corrente nominal até 32 A), portanto é muito aconselhável o uso de proteção diferencial em todas as tomadas e não somente nas tomadas externas ou internas em áreas molhadas.

Existem três tipos de dispositivos no mercado disponíveis aos consumidores, que devem ser escolhidos segundo a sua aplicação.

Tipos de Dispositivos

     São dispositivo de seccionamento mecânico destinado a provocar a abertura dos próprios contatos quando ocorrer uma corrente de fuga à terra. Este tipo apresenta sensibilidade exclusivamente para a corrente de fuga à terra, e não tem nenhuma sensibilidade à sobrecorrentes (sobrecarga e curto-circuito).

     A grande aplicação deste tipo de dispositivo é em instalações elétricas prediais, em particular onde o Dispositivo DR é instalado para proteção de um grupo de circuito, ou em pequenas edificações onde ele é instalado como geral. Neste caso o DR pode ser usado como seccionador do quadro e a proteção pode estar no quadro a montante.

     Dispositivo de seccionamento mecânico destinado a provocar a abertura dos próprios contatos quando ocorrer uma sobrecarga, curto-circuito ou corrente de fuga à terra. Portanto um mesmo dispositivo é usado para a proteção contra sobrecorrentes dos condutores e proteção contra choques elétricos. 

    Este tipo de dispositivo se aplica nos casos onde existe uma limitação de espaço no quadro de distribuição e se deseja uma maior continuidade de serviço fazendo a proteção diferencial por circuitos. Esta aplicação faz com que a atuação do dispositivo que protege um circuito não provoque o desligamento de outras áreas, muito útil no caso de escritórios, laboratórios e demais aplicações onde a perda de energia elétrica pode provocar uma perda de segurança ou financeira.

      Dispositivo de detecção sensível à corrente diferencial, que realiza uma atuação mecânica em um outro dispositivo mecânico, como um disjuntor termomagnético, que realizará a abertura dos contatos e seccionamento do circuito em caso de fuga a terra. Este dispositivo associado a um disjuntor realiza a proteção diferencial residual, de sobrecarga e curto-circuito.

      Este tipo de componente encontra a sua aplicação na área industrial e grande edificações, onde o valor da corrente de curto-circuito é elevado, bem superior aos disjuntores DR disponíveis no mercado, ou se deseja fazer a proteção individual de circuitos trifásicos. O Módulo DR pode ser acoplado a um disjuntor com capacidade de interrupção muito elevada, ou ainda um disjuntor tripolar ou tetrapolar.

A escolha da melhor opção para o dispositivo DR necessita um conhecimento do produto, da normalização e das cargas usadas. A não consideração destes fatores pode levar à perturbação da instalação como um todo, como o desligamento intempestivo ou por desligamento geral, e principalmente, a uma ineficácia da proteção efetiva contra choques elétricos

(11) 3093.8600

Rua Camargo, 245 – Butantã - São Paulo / SP - CEP.: 05510-050